Archive for the ‘Comentário’ Category

h1

Picaretagem

julho 18, 2013

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), defende que as doações financeiras sejam feitas exclusivamente aos partidos, e não mais aos candidatos.
Segundo Alves, essa mudança “É muito transparente” e elimina o vínculo entre doadores e políticos beneficiados.
Faça-me o favor!
Essa “mudança” é pra continuar tudo como está. É um engodo! Um desaforo!
Muda-se o endereço de entrega da grana pra campanha e pronto: o poder econômico continua a mandar e desmandar nos eleitos e no Brasil.
Tem sido assim: os financiadores irrigam as campanhas, muitas vezes ou a maior parte com dinheiro não contabilizado nas prestações de contas eleitorais. Terminada a eleição, os eleitos (financiados pelo poder econômico) devolvem a gentileza aos financiadores: privilégio em licitações, isto quando ocorre licitação; nomeação de apadrinhados; blindagem contra a ação fiscalizadora do Estado; concessão de benesses fiscais; e por aí vai.
Enquanto o poder econômico continuar a financiar campanhas eleitorais, os políticos picaretas seguirão sendo a maioria e o Brasil seguirá cronicamente injusto e desigual.
Transparente, é?
Que desaforo! Que picaretagem!

h1

Quebrando tabus

julho 1, 2013

Não faz muito tempo, durante os jogos da seleção canarinho era tacitamente proibido atravessar qualquer outro assunto na pauta nacional. E ai de quem o fizesse.
Fazer protesto, então, era quase ato de traição à pátria.
Aos de alto coturno (os militares de ontem e muitos civis de hoje), sempre interessou que a pátria se mantivesse de chuteiras, enquanto os nossos traseiros eram – e ainda são – alvos fáceis dos pontapés dos governos.
Pois é.
Mas a Copa das Confederações, que se tornou também a Copa das Manifestações, quebrou não apenas o tabu da seleção espanhola, que não perdia partidas oficiais havia mais de três anos, mas outro tabu ainda mais importante e mais longevo: o de que protestar em tempos de jogos da seleção tem algo de impatriótico.
Impatriótico é não denunciar as mazelas, as injustiças e a corrupção.
Impatriótico é não lutar por um país melhor.
Impatriótico é limitar-se a sentar o traseiro e torcer pela seleção e por mudanças e maldizer os que lutam.
Viva o Brasil!!!

h1

Assim não Vale!

junho 28, 2013

vale

Tenho conversado com pessoas que se dizem dispostas a organizar uma grande manifestação contra os privilégios odiosos concedidos à Vale, maior empresa privada do Brasil e uma das maiores do mundo, que lucra bilhões com as riquezas minerais do Pará e paga alguns míseros tostões em compensação financeira.
No dia 13 de setembro de 2013, a famigerada Lei Kandir, que desonerou de ICMS todas as exportações para o exterior – inclusive de minério -, completará 17 anos.
Desde então, mais de R$ 20 bilhões deixaram de ser arrecadados pelo Pará, em ICMS.
A Compensação Financeira pela Exploração Mineral – CFEM, que em países como a Austrália e Índia, é de 7,5% e 10% do faturamento bruto das mineradoras, respectivamente, no Brasil fica entre 0,2% a 3% do faturamento líquido.
E, pra completar, a exploração da água – que é um bem público – no processo industrial do minério passa ao largo de qualquer cobrança por parte do Estado, conforme denuncia em artigo o advogado Ismael Moraes, o que poderia resultar, se a Vale estivesse sendo obrigada a pagar, em mais alguns bilhões em favor dos paraenses.
Adivinhem quem foi – e está sendo – beneficiada com a Lei Kandir, a mísera CFEM e a não cobrança do uso da água?
Diante de tantas e tão graves urgências que estão levando multidões às ruas de todo o Brasil e do Pará, os privilégios à Vale são verdadeiros crimes lesa-Estado.
Vale ou não vale ir às ruas lutar contra o poderio da Vale?

h1

Rua é pra gente

junho 19, 2013

Os atos de violência registrados nos protestos que tomaram as ruas do Brasil, especialmente no Rio e em São Paulo, devem ser condenados e contidos, mas colocados no seu devido lugar. Em primeiro lugar, porque foram casos isolados, não refletindo o espírito e o propósito da esmagadora maioria dos manifestantes que ocuparam as ruas em nome da paz, não a paz sem voz ou a paz dos cemitérios, mas a paz verdadeira que só é possível por meio da justiça social. Em segundo lugar, porque os prejuízos e os traumas indesejáveis decorrentes das manifestações, ainda assim, são bem menores que os danos sociais causados pela corrupção, espoliação e enganação que grassam em nosso país.
Que bom que o povo brasileiro voltou a dar melhor serventia para as ruas, porque rua foi uma invenção pra gente e não pra carro.

h1

O cartaz da passeata

junho 19, 2013

Na próxima passeata, que espero esteja próxima, eu vou levar um cartaz bem grande denunciando o que considero ser o maior crime contra o povo brasileiro: a dívida pública.
Somente em 2013 (até o dia 1º de junho), R$ 406 bilhões do Orçamento Geral da União foram consumidos no pagamento do chamado serviço da dívida pública. Esta quantia absurda retirada da sociedade brasileira representou 51% do OGU, num país tão brutalmente desigual e com tão dramáticas urgências.
Considero que nem mesmo governantes íntegros, justos e comprometidos com o interesse público, tão raros no Brasil, são capazes de resolver os graves problemas sociais se não tiverem coragem para enfrentar a chaga da dívida pública, dado que esta consome, a cada ano e ano após ano, em torno da metade dos recursos do povo brasileiro.
Afirmo, sem medo, que os gatos com a Copa do Mundo são “pinto” se comparados com os gastos com a dívida pública.
Há de chegar o dia em que essa juventude ávida por mudanças vai se rebelar contra isto.
Eu estarei lá, junto, para protestar e exigir que o dinheiro público seja integralmente utilizado em benefício do povo brasileiro.

h1

Quem é mais desrespeitado no Brasil?

maio 25, 2013

Os negros são desrespeitados em sua luta por igualdade, num país que finge não ter preconceito racial.
Os idosos são desrespeitados, num país que não conhece a sua história e não honra as pessoas mais velhas.
As crianças são desrespeitadas em seu direito à infância e à inocência.
As mulheres são desrespeitadas, num país ainda não liberto do machismo.
Os índios são desrespeitados em sua cultura e em seu direito à terra.
A lista de desrespeito é extensa, mas é o Contribuinte, de longe, o mais desrespeitado no Brasil, pois se há algo em comum entre todos os segmentos vítimas do desrespeito e do preconceito é o fato de que todos, sem exceção, são contribuintes.
O que é feito com o dinheiro dos contribuintes brasileiros é mais devasso que os filmes exibidos no Cine Ópera.
Jamais seremos um país justo se os contribuintes não se fizerem respeitar pe los governos.
Hoje, 25 de maio, é o Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte.

h1

Pena de aluguel

março 8, 2013

O “pena de aluguel” Demétrio Mangoli declarou que o povo da Venezuela se sente enganado por não ter sido informado de toda a verdade sobre o estado de saúde de Chávez.
Que conhecimento esse pseudo intelectual imagina ter sobre o pensamento e o sentimento do povo venezuelano?
Só o povo venezuelano tem autoridade para julgar o período Chávez e para decidir sobre o seu futuro.
Chávez deu uma contribuição inestimável para a afirmação da soberania da Venezuela e da América Latina que, não faz muito tempo, mantinha-se subjugada aos interesses e vontades dos EUA.
A importância que os EUA davam a essa região pode ser medida pela humilhação por que passou o chanceler Celso Lafer, sob o governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi obrigado a tirar os sapatos na inspeção da alfândega americana. E olhem que isto aconteceu por três vezes.
Os EUA, que já arquitetaram e financiaram golpes e apoiaram ditaduras no nosso continente e em todo o mundo, jamais “engoliram” Chávez e jamais “engolirão” líderes que ousem desafiar o império americano em nome da soberania das suas nações e da autodeterminação dos seus povos.
Mas, repito, o povo venezuelano, e só ele, tem autoridade para julgar e para decidir o seu destino.