h1

A Vale e o jabuti

novembro 5, 2012

Diz a sabedoria popular que se um jabuti for encontrado no alto de uma árvore, alguém deve tê-lo colocado lá, porque jabuti não sobe em árvore.

Há muito o Brasil assiste ao famigerado tratamento dispensado a Estados e Municípios mineradores, que recebem uma mísera compensação financeira em troca de pesados e irremediáveis impactos ambientais que são obrigados a suportar.

Estados e Municípios mineradores, se comparados com Estados e Municípios petrolíferos, recebem troco em troca de crateras, doenças, violência, degradação.

Enquanto no Brasil as mineradoras pagam de 0,2% a 3% do faturamento líquido pela exploração mineral, os royalties pagos pela exploração do petróleo chegam a 10% do faturamento bruto.

Austrália e Índia, potências minerais, cobram 7,5% e 10% do faturamento bruto das mineradoras, respectivamente.

Mas como explicar, então, essa abissal diferença entre o que é pago em royalties pela exploração do petróleo e o que é pago em Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM)?

E como explicar por que as várias proposições de aumento da CFEM são bloqueadas no Congresso Nacional?

Quem colocou esse jabuti no alto da árvore?

Por que o privilégio a quem paga CFEM em relação a quem paga royalties do petróleo?

À Petrobras, os rigores de uma exploração ambientalmente danosa, como deve ser em qualquer país sério.

À Vale, as honras da casa, como se tratasse de uma benfeitora nacional, coisa que está muito longe de ser.

Em setembro de 1996, a Lei Kandir, que desonerou de tributos (sendo o principal deles o ICMS cobrado pelos Estados e Distrito Federal) todos os produtos e serviços destinados à exportação, inclusive os produtos primários.

Caminho aberto para, oito meses depois, em maio de 1997, o governo federal privatizar a então Vale do Rio Doce.

Ao longo desses anos, mais sangria nos cofres públicos de Estados e Municípios e mais – muito mais e cada vez mais – lucros para a Vale.

Os baixíssimos preços cobrados à Vale pela exploração mineral em solo brasileiro são um deplorável exemplo de submissão de uma nação inteira aos interesses de uma empresa.

A Vale financia campanhas eleitorais majoritárias e proporcionais, de cabo a rabo, da direita à esquerda, de norte a sul, de leste a oeste, do planalto a planície.

A Vale paga muitos milhões em propaganda ufanista para apregoar o quão bem faz ao Brasil e aos brasileiros. São milhões em propaganda paga aos maiores veículos de comunicação do país; propaganda que se converte em blindagem, proteção, alinhamento.

A Vale reserva outros milhões para ações sociais, culturais e ambientais, na esteira da tal “responsabilidade social”, que lhe serve de escudo para ocultar as mazelas decorrentes de sua atividade exploratória.

A soma dos milhões aplicados em campanhas eleitorais (o financiamento eleitoral é aplicação de alta lucratividade para a Vale), mais os milhões investidos em propaganda e mais os milhões gastos em “responsabilidade social”, é ninharia se comparada com os bilhões em lucros que a Vale aufere com a exploração das riquezas do nosso solo e com os privilégios que recebe do poder público brasileiro.

No bom e claro português, a Vale “compra” apoio nos parlamentos, nos executivos e na mídia comercial.

O sistema vigente de financiamento de campanhas eleitorais serve aos interesses e aos negócios da Vale.

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, em artigo recente, ao exortar os mineiros à luta por compensação financeira mais justa a Estados e Municípios pelo minério que é extraído de seu solo, invocou o espírito dos inconfidentes.

No Pará, o Estado da federação mais lesado pelo baixo retorno financeiro da exploração mineral, o espírito cabano precisa juntar-se ao dos inconfidentes, a fim de que paraenses e mineiros façam descer esse jabuti da árvore, pois foi gente, e não enchente, que o colocou.

Anúncios

4 comentários

  1. […] Em setembro de 1996, a Lei Kandir, que desonerou de tributos (sendo o principal deles o ICMS cobrado pelos Estados e Distrito Federal) todos os produtos e serviços destinados à exportação, inclusive os produtos primários. Caminho aberto para, oito meses depois, em maio de 1997, o governo federal privatizar a então Vale do Rio Doce […] Leia mais […]


  2. Excelente artigo. Adorei.


  3. Estou vendo nos jornais e na internet que o Zenaldo vai clonar a saude da cidade de Vitoria-ES e trazer para Belem. Será que ele sabe que a cidade de Vitória, com populacao de 315.000 habitantes, tem 28 unidades de saude, enquanto Belem, com populacao de 1.500.000 tem apenas 28 postos de saude minusculos e em precario estado de consevacao e funcionamento. E ainda disse que nao vai construir nenhuma unidade a mais, so vai fazer funcionar as que ja existem. Estou pagando para ver a atuação do Zenaldo Copperfield.


  4. […] A Vale se encaixa perfeitamente no trecho da entrevista em que Perkins se refere às corporações que controlam a mídia, por meio da publicidade, e que também controlam políticos, por meio do financiamento de suas campanhas eleitorais, exatamente como eu afirmo no artigo “A Vale e o jabuti“. […]



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: